Início > Linux, Open Source e CIA > 10 anos de Linux em minha vida

10 anos de Linux em minha vida

10 anos de Linux em minha vidaNeste mês de janeiro, comemoro 10 anos que conheci Linux! Como muitos usuários, aprendi sozinho, fuçando na Internet. Resolvi fazer esse relato para mostrar a evolução do Linux nesse período para os mais novos e também compartilhar experiências que, certamente, muita gente passou. Daria para escrever um livro com os “causos”, mas vou tentar ser o mais objetivo possível!

 

 

Em janeiro de 1997, eu tinha 17 anos e utilizava Windows 95. Eu vivia irritado com os paus do mesmo, e com as constantes “formatações” que tinha que fazer, seja para arrumar problemas ou melhorar o desempenho.

 

 

Eu vivia comprando revistas sobre tecnologia, e de vez em quando via matérias falando de um tal de Linux, mas como tinha que fazer um download grande, eu sempre desanimava. Tinha internet discada em casa, e a paciência nunca foi meu forte.

 

 

SlackwareNum passeio por uma banca, encontrei uma revista, que nem me lembro o nome mais. Era uma edição especial, que vinha com o Slackware 3.1.0. Se não me falha a memória, acredito que nesta edição veio um CD, você tinha que abrir o CD e fazer um disquete para poder bootar pelo CD, algo assim.

 

 

Eu lembro que foi uma vida para instalar ele. A interface gráfica não funcionava nem a pau! Tínhamos que configurar tudo na mão. Arquivos textos pra lá e pra cá… Mas não demorou muito, para eu encontrar na Internet (navegando pelo Windows) um arquivo de configuração de um usuário avançado que tinha uma máquina igual a minha. A placa de vídeo era uma Trident de 4 megas! Um monstro para a época!

 

 

Bem, funcionou a Interface gráfica, mas e ai? O que eu poderia fazer com aquilo sem Internet? Fiquei bons meses so brincando com o Slackware offline. Eu me lembro que em junho saiu a versão 3.3.0. Mas ai eu poderia baixar, mas não tinha gravadora para queimar a mídia!😦

 

 

Neste mesmo mês, passeando por uma banca, encontrei um tal de Linux Marumbi se não me engano. Finalmente coloquei ele na minha máquina, e “deu vídeo” de primeira! Amei a distro! No mesmo dia que instalei na minha máquina, instalei para um amigo, e perdi uma caixa de cerveja em uma aposta: após instalar o Linux eu apostei que se ele conseguisse dar um “dir”, eu pagaria a caixa para ele. Ele conseguiu. Foi ai que eu aprendi sobre alias!

 

 

ModemJá no começo de 98, eu estava querendo me matar, pois simplesmente não conseguia navegar na Internet com o Linux. Eu tinha um maldito Win modem que não funcionava. Em lista de discussão, via que todo mundo que conectava usando Linux, tinha modens US Robotics “jumpeados”. Foi batata, juntei dinheiro por uns 3 meses e comprei um!

 

 

Foi mais uma vida configurar o Linux para acessar Internet, não existia nenhum utilitário amigável, mas, demorou até que consegui. Ele vinha com o Netscape, se não me engano o 4. Não abria nada decentemente. Ficava muita coisa feia. Eu lembro que xingava o navegador (não sabendo que a culpa não era bem dele). Já o Licq funcionava bonitinho. Eu falava com meus amigos orgulhoso “Estou conversando com você do meu LINUX”, me sentia o verdadeiro Hacker!

 

 

Em 99 também conheci o Star Office, que é o pai do Open Office. Como o negócio era pesado. Não abria documentos do Word decentemente, muito menos XLS e PPT. Perdia todas as formatações.

 

 

Outro problema que me matava era que eu não conseguia imprimir no Linux decentemente. Até eu conhecer o CUPS, por volta de 2000, eu salvava em disquete no Linux e ia pro windows e imprimia. Salvar em disquete demandava um mount e um umount, não havia ícone ou automount. Só fui descobrir como montar a partição Windows no Linux com suporte a escrita em meados de 2000.

 

 

Em 2000 eu fiz minha primeira grande proeza por volta de fevereiro. Vi que saiu o Kernel 2.2, resolvi instalar o bicho. Muito trabalho para conseguir depois de umas 10 compilações, um kernel funcional!

 

 

NVIDIAEm junho de 2000 eu resolvi voltar pro Slackware, aproveitando um upgrade em minha máquina. Baixei o Slackware 7.1. e instalei no bicho. A máquina veio com uma placa Nvidia, e eu lembro que a interface gráfica não funcionou. Encontrei um site com um how to de como baixar e configurar o driver para Linux, assim o fiz. Quando mandava um startx, aparecia o logo da Nvidia, eu quase chorei de emoção: Aceleração 3D no meu Linux!

 

 

Em janeiro de 2001 saiu o Kernel 2.4, mais uma vez, brinquei de recompilar e instalar o bicho. Dessa vez foi de primeira!

 

 

Ainda em 2001 conheci o dropline gnome, uma versão alterada do Gnome para o Slackware, muito bonita! Baixei e instalei! Conheci tambem o Piter Punk, e o slackpkg, uma espécie de apt-get para Slack.

 

 

Neste mesmo ano eu comecei a trabalhar com Infra. Implementei muitas solulções baseadas em Linuxm dentre elas: servidor de páginas, rede (samba), rede wireless, VPN, fiz terminal burro rodando aplicativos Clipper no dosfree, etc.

 

 

DebianAlgo que me irritava no Slackware, talvez por incompetência minha mesmo, eram as suas atualizações. Eu vi um amigo meu, fazendo uma atualização de um servidor Debian: apt-get update, apt-get upgrade! Achei lindo, resolvi testar o bicho! Foi paixão a primeira vista. Botei Debian na minha máquina.

 

 

Já em 2003, foi lançado o magnífico kernel 2.6. Compilação e instalação de primeira!

 

 

Desde 99 eu ja comecei a dar cursos de Linux na faculdade, pois acreditava (e ainda acredito), que devemos compartilhar conhecimento. Eu aprendia mais ainda nos cursos. Lembro que no meu terceiro curso, um infeliz perguntou sobre Firewall e eu não sabia!!! O cara fez eu aprender iptables!

 

 

Até 2006 eu fiquei trabalhando pacificamente com Linux e Windows em meu desktop. Quando precisava de algo no Windows, eu ia para ele, mas… no começo de 2007 eu conheci o Ubuntu, e vendo toda a maturidade atingida por aplicativos como Firefox, Open Office, e cia… quem precisa de Windows?

 

 

10 anos de Linux em minha vidaHoje, sou um feliz usuário do Ubuntu 7.10, consigo utilizar o mesmo no meu trabalho. Em 2007 ainda haviam alguns softwares que precisavam de Windows para rodar, mas, consegui convencer minha gerente a remover esses softwares do projeto em favor de padrões abertos.

 

 

Atualmente minha luta é trocar os formatos proprietários da M$ por ODF, acredito que eu vá conseguir em breve!

 

 

Minha conclusão é que, desde 1997 o Linux evoluiu muito. Deixou de ser algo complicado de se utilizar e está muito mais amigável hoje. Isso dá um impulso no seu uso corporativo. Graças a distribuições “comerciais” como Red Hat, o Linux entrou e ficou nas grandes corporações. Iniciativas magníficas de empresas sérias como IBM, Oracle e SUN, colaboram cada vez mais para a utilização do Linux em larga escala. As pessoas estão mais conscientes sobre padrões abertos e não querem ficar reféns de nenhuma empresa. Todos estes fatores indicam que o Linux vai ser cada vez mais popular, e nós meus amigos, que já o conhecemos bastante, devemos evangelizar as pessoas!

 

Que venham mais 10 anos de Linux!

 

  1. Arauca
    janeiro 6, 2008 às 2:38 pm

    Meu primeiro contato com o Linux foi no final de 2004.
    Eu tinha ouvido falar, na época baixei o Mandrake e fui com a cara e com a coragem instalar num PC de um amigo (arriscar o meu?? hehe).
    Nenhum dos dois conhecia mto de S.L., estávamos acostumados apenas com o processo de formataçao e instalação do Windows…pra quê, na ferramenta de particionamento meu amigo deve ter escolhido a instalação no HD inteiro…apagou tudo hehe

    Dpois desse experiência traumática (pra ele…!!) eu descobri o Guia do Hardware e passei a ler os artigos do Morimoto.
    Ai, com o live cd do Kurumin 5.0 foi que iniciei meus passos no Linux.
    Pelo visto, comecei numa época bem mais tranquila no quesito dificuldade de instalação e configuração;
    Depois, testei mais alguns live cds e uso hj Ubuntu quase que full time.

  2. janeiro 6, 2008 às 2:48 pm

    Muito bom Juliano, gostei do seu relato.
    Devo ter mais ou menos o mesmo tempo que você, pois cheguei a usar o Slackware 3.2 e o Conectiva Marumbi.
    Outra grande “coincidência” é que atualmente também compartilho do coforto de usar o Ubuntu 7.10. O que gosto de ver no Ubuntu a cada versão é como realmente os caras trabalham. Uso no meu trabalho. Para compartilhar uma impressora hoje não se abre mais a console, tudo gráfico (vários métodos e o mágico IPP ou coisa que o valha) e para compartilhar arquivos e pastas? Nada de console. Está ficando tudo muito fácil e nem está ficando ruim como pregavam alguns persimistas. Como sou programador, eu me despreocupo com o SO e cuido do que mais gosto.
    Felicidades.

  3. Lucas Fernando Vasconcelos de Arruda Amorim
    janeiro 6, 2008 às 4:17 pm

    O meu primeiro linux foi o Mandrake 0.Não me lembro a versão…

    Instalei para aprender a mecher no PHP.

  4. janeiro 6, 2008 às 5:13 pm

    As minhas primeiras distros foram Suse 6.4 e posteriormente Caixa Mágica, que não consegui sequer instalar😛
    Depois fui para o Mandrake+Kurumin, Mandrake+Agnula+VMWare/WinXP, e agora tenho Kubuntu+Mandriva+Musix. Sempre gostei de ter várias distros pois não conseguia fazer tudo numa só, mas agora já dá. Vou tirar tudo e ficar só com o Kubuntu.

  5. marcus goncalves
    janeiro 6, 2008 às 5:24 pm

    Gostei do artigo. comecei com o conectiva 9 , e como todo principiante penei. E sofri com a formatação total do Hd (muito conteúdo adulto perdido –snif). Com o conectiva 10 e mais experiente não tive grandes problemas.
    Assim como vc, passando por uma banca de jornal vi a revista linux magazine que na época trazia o suse 9.2, foi paixão avassaladora. Gostei muito do suse , e ai vieram as 9.3, 10, 10.2.
    A 10.2 tava show , hoje uso a 10.3 que tem alguns mudanças ruins (ao meu ver), mudanças esteticas como ícones gnome (feinhooooo) no yast, o sistema em si é 10.
    Experimente o suse vc também.

    abraço

  6. Isaac
    janeiro 6, 2008 às 7:06 pm

    Minha aventura com Linux é bastante semelhante com a sua.
    Minha primeira experiência em Linux foi em 2001 com um Kurumin.
    Mexia muito pouco com ele, até que o deixei de lado.
    Comprei uma revista com o Mandriva 2005 LE e por uma incrível coincidência do destino, o Ruindow$ XPeido no meu micro, nesta época, deixou de funcionar inexplicavelmente.
    Aparecia apenas o papel de parede. Os ícones e a barra de tarefa desaparecerem e não voltava nem com a restauração do sistema.
    Instalei neste micro o Mandriva 2005 LE, depois o 2006, 2007, 2007 Spring, 2008 e vou colocar o 2008.1 quando sair.
    Hoje já abandonei o Ruindow$. Para mim deixou de ser necessário.
    Conclusão: Por uma coincidência do destino, comecei a mexer com Linux, graças à Micro$ofre!!!
    Obrigado Bill Gayte$…rsrs

  7. javali bolado
    janeiro 6, 2008 às 7:25 pm

    “Estou conversando com você do meu LINUX” . Essa frase eu tbm já tive muito orgulho (e ainda tenho, apesar de hoje a emoção ser um pouco menor) de ‘falar’ qnd comecei com o linux, aos meus amigos de bate-papo no início de 2002.

    “…aparecia o logo da Nvidia, eu quase chorei de emoção: Aceleração 3D no meu Linux!” . Foi a mesma emoção que senti com minha Nvidia🙂

    Comecei com Conectiva 9 e passei para o kurumin e mandrake. Testei outras e aprendi muita coisa durante esse tempo. Continuo a usar linux no desktop e no laptop com todo orgulho q sempre tive.
    Sempre foi e sempre será gostoso de aprender e usar esse sistema operacional, independente de qual for a distro preferida.

    Parabéns pelo artigo Juliano. Foi muito gostoso ler isso, eu fiquei rindo sozinho enquanto lia😀 Já tô na espera de algo nesse estilo🙂
    Grande abraço a todos.

  8. Icaro
    janeiro 6, 2008 às 8:05 pm

    parece que voce ja gastou (e talvez ainda gaste), alem de varios outros usuarios antigos e novos adeptos, muito tempo para fazer no linux coisas que ja fazia no windows sem qualquer complicacao inicial.
    relatou inclusive uma aquisicao de hardware para poder navegar no linux, sendo que ja o fazia no windows (winmodem). E isso, como citou, ainda o fez – depois de funcionando – motivo para orgulho!
    o principal, acho que voce nao soube explicitar muito bem (desculpe a franqueza), ou seja, as vantagens (reais) de se utilizar software livre, e os beneficios que eles oferecem, sendo que muito deles sao para plataforma unix (e em especial muitos dos servicos utilizados para configuracao de redes de computadores, servidores, etc).
    Ou seja, pra mim, nao ha fundamento à pratica da “abstinencia” ao uso do software livre apenas, mas sim que devemos estar abertos a tecnologias e conceitos, abertos ou nao, para que possamos usufrir de todos eles da melhor forma possivel.

  9. janeiro 6, 2008 às 8:25 pm

    Caraca… parecia que estava lendo minha própria historia… Comecei no linux com o Slackware 3.5, soh que permaneci fiel a essa distro até a versao 11, onde me cansei de apanhar pra atualizar, enqto via as Debian-based com seu apt-get… hoje to usando o Ubuntu 7.10 64bits…
    O que mais impressiona eh a evoluçao em apenas 10 anos… ainda me lembro bem quando virei algumas noites instalando o KDE 1.0… eu via Screenshots dele e aquilo me tirava o sono (na epoca tinha uns 12 pra 13 anos). Usei MTO o licq com um UIN que me lembro ateh hoje (perdi o UIN num botao idiota que dizia “excluir uin” em algum programa q tava testando).
    Hoje em dia, mesmo que eu quisesse, nao da mais pra largar o Linux, pq TUDO na minha faculdade usa ele… entao da pra crer que, num futuro BEM proximo, vá haver uma revoluçao gradual a favor de S.L.

    Abraço a todos!

  10. janeiro 6, 2008 às 10:28 pm

    Oi Icaro.
    A idéia do meu relato não é de citar vantagens ou motivos para se utilizar software livre, e sim, falar de como eu fiz isso.😉
    Abraços.

  11. Leandro
    janeiro 6, 2008 às 11:56 pm

    Legal o relato. Mas vc errou nas contas. Se começou em jan/97 em jan/98 1 ano, jan/99 2 anos, e por ai vai. Em jan/2008 vc está completando 11 anos e não 10. Um abraço

  12. janeiro 7, 2008 às 12:05 am

    Minha história foi parecida. Eu comecei na Páscoa de 99. Ganhei uma revista (Geek) com um CD de linux. Foi todo um novo mundo que se abriu para mim. Eu nunca tinha ouvido falar do linux e não conhecia ninguém que já conhecesse. Legal lembrar de tudo isso.

  13. janeiro 7, 2008 às 1:04 am

    Gostei. Eu comecei com Conectiva(aquele verde-limão, ainda tenho), mas o meu primeiro contato foi com um tal de “Linux que dava boot pelo CD”. Dei o boot olhei, e, achei estranho. Depois veio o Conectiva 4.0, em seguida o Mandrake(comprei no GuiadoHardware). Nesta época fui em um evento em Curitiba, conheci o grande guru RS. Depois instalei o Kurumin, esta até hoje. Já instalei várias distros. Uma esta me deixando “tonto”, é o Gentoo, tentei várias vezes. Eu gosto do KDE e do apt-get.

  14. janeiro 7, 2008 às 1:26 am

    Hehe eu já passei por cada coisa também… Lindo texto!

    Comecei com o Kurumin 4.0 em 2004/2005, a única distro das várias que testei que rodavam decentemente no meu Pentium II com uma Trident de 1 MB de RAM. Quando não era o vídeo, era meu mouse serial que não funcionava… Mas só mudei para Linux de verdade recentemente, quando coloquei banda larga em casa – afinal Linux sem Internet é quase que impossível de se usar com satisfação.

    Xingamentos pra lá e pra cá, um CD do Ubuntu quebrado (uma versão antiga), dores de cabeça… Mas tudo superado (ou quase tudo, rs). Algumas vezes ainda uso o Windows, até porque gosto dele e de escrever sobre ele… E também por algumas outras questões. Mas reconheço, o Linux tem poder. Fico feliz ao ver que de verdade, ele vem conquistando seu espaço nas residências.

  15. janeiro 7, 2008 às 5:37 am

    Beleza de texto. Tenho um pouco menos de tempo com o Linux (uns oito anos) e lendo o seu texto lembrei de muita coisa que também me fez quebrar a cabeça – drivers com impressora, por exemplo. Mas agora está um manjar. Os Live Cds instigam qualquer um a instalar o Linux. O dual boot, mesmo com o Cfdisk é fácil de de fazer (claro precisa saber um pouco do idioma do império…). Usei muito o Kurumin -será uma lástima se o Morimoto não der seguimento ao melhor Linux criado a partir do Debian, embora eu entenda que é difícil seguir atualizando a distribuição, depois do Ubuntu, o ideal de um milionário da África do Sul.
    Trabalho na Justiça Federal e, desde que comecei a trabalhar com o Linux, me esforcei para, a pouco e pouco, ir utilizando o Linux no que fosse possível. Hoje, os votos e os acórdãos são acompanhados na telinha de um computador que roda um mini distribuição Linux. O servidor de e-mail, também roda Linux, e a dependência do Windows só existe porque querem seguir trabalhando com ele.
    Brigadão Juliano e, se de vez em quando o amigo descobrir novas funcionalidades e facilidades, partilhe conosco. Conhecimento é mesmo para ser partilhado. Feliz 2008 e brigadão pelo excelente relato. [ ]s, Geraldo Apoliano

  16. PotHix
    janeiro 7, 2008 às 7:05 am

    Æ!!

    Juliano,

    Muito interessante o seu relato…É legal ver o crescimento do Linux de uns tempos para cá! =)
    Eu ouvia falar de Linux desde 2002 mais ou menos, mas nunca tinha instalado, só ouvia falar e ficava curioso, mas tinha o mesmo problema de muitos, a maldita internet discada…heheheh…Então só pude instalar o Linux realmente em 2005, quando um amigo meu me deu um cd do Kurumin 4.2, que eu fiquei muito feliz de instalar em Dual Boot.
    Na época eu quis até esquecer o Windows! Depois que me acostumei um pouco com a distribuição, eu resolvi tirar o windows de vez, e o que eu precisasse eu ia ter que achar algo para Linux para me virar…E assim eu fiz! Fiquei com o Linux por meses, até que eu resolvi atualizar o Kurumin e ele resolveu não funcionar mais o meu modem ( um Intel537 ), aí me desanimei um pouco…Mas o Linux não foi esquecido, sempre continuou com dual boot, instalei o Kalango e depois o Slackware ( sendo essa a que gostei mais ).

    Atualmente estou procurando um tempo livre para instalar o Slackware denovo…Com a correria acabei não instalando quando troquei de computador, mas a minha partição reiserfs está lá guardadinha! =)

    Há braços

  17. PEC
    janeiro 7, 2008 às 8:06 am

    Hehe muito bom o seu relato… e parece que o famoso linux COnectiva Marumbi que levou muita gente a conhecer o sistema do pinguim hehe… foram noites e noites a fio para rodar o bixo… mas a emoção foi indescritível =)

  18. Viana
    janeiro 7, 2008 às 8:54 am

    Comecei com Conectiva 4 em 2000 se não me engano e hoje estou com Mandriva 2008 que não troco pelo Vista de jeito nenhum. As vantagens de usarmos Linux e não windows como perguntou o colega Icaro:
    Eu NUNCA me infectei com 1 vírus sequer desde 2000, nem spyware, nem estas outras “pragas” de Internet.
    NUNCA formatei meu PC a não ser quando ia mudar de distro.
    NUNCA precisei de super mega PC , apesar dos recursos gráficos do Linux serem equivalentes aos do Windows.
    Tenho a consciência tranquilha de não estar usando NENHUM software pirata, apesar disso ser um dever também para usuários windows, mas sabemos que a realidade é diferente!
    Isto pra mim já é suficiente!
    Abraços.

  19. Roberto Salgado
    janeiro 7, 2008 às 9:35 am

    Bom saber que muitas pessoas tambem tiveram os mesmos problemas.
    eu comecei com o parolin da conectiva. hj so uso FreeBSD por causa do seu padrão UNIX e sua simplicidade.

    Parabens pelo artigo !

  20. janeiro 7, 2008 às 10:06 am

    Cara, mt legal sua tragetória! Parabéns!

  21. Zorzo
    janeiro 7, 2008 às 10:59 am

    Parabéns pelo artigo Juliano. Foi divertido ler seu artigo e rir com os problemas e suas soluções. Hoje sou iniciante em Linux. Desde que conheci o Linux, abriu-se um mundo novo de conhecimento (compartilhado, é claro!).
    Um abraço.

  22. Anderson Stühler
    janeiro 7, 2008 às 1:36 pm

    Minha primeira distro foi o Caldera System 2.0, que comprei numa banca e meti o bicho num 486-DX4 100Mz. Muitas saudades daquela epóca, apanhei muito até faze funciona, a revista tinha umas 10 páginas acho, com pouca informação.Depois foi Conectiva, Slack e hoje Debian.

  23. janeiro 7, 2008 às 2:34 pm

    Parabéns, pelos 10 anos de plataforma open source. Sinal que és inteligente!

    Saúde e paz!

  24. janeiro 7, 2008 às 3:11 pm

    Gostaria de parabenizá-lo pelo artigo, e dizer que faz + ou – 1 ano que conheci o LINUX e me libertei, hoje sou uma pessoa mais feliz, hehehe. Sério, sou um apaixonado por tecnologia, quando comecei a me familiarizar com os comandos me tornei mais afixionado por LINUX, e tento convercer todo mundo a aderir ao IDEAL OPEN SOURCE. Tou quase mudando de vez para LINUX, faço de tudo para substituir os PROGRAMAS PROPRIETARIO para o de CÓDIGO ABERTO.

  25. janeiro 7, 2008 às 4:11 pm

    Olá Juliano! Estava lendo teu blog e achei muito interessante a semelhança com minha “carreira” em GNU/Linux também. Iniciamos mais ou menos na mesma época e também com Slackware e logo depois Marumbi. Criei também meu blog a pouco pra escrever um pouco sobre minha histório no mundo livre. Lá estou, também, estravazando minha saga.
    Pude notar que tu foi muito mais rápido que eu no aprendizado, pois demorei bem mais tempo pra atingir certos conhecimentos como firewall, wireless, samba.
    Um grande abraço amigo.

  26. Silvia
    janeiro 7, 2008 às 4:30 pm

    Sou novata no Linux. Comecei usando o Ubuntu 7.10, mamão com açúcar!
    Vou dizer do que gosto mais:
    – é grátis, então posso parar de usar cópias piratas do caríssimo Windows;
    – tem um montão de softwares gratuitos para usar, muito fáceis de encontrar, baixar e instalar, ainda mais com os recursos do Ubuntu 7.10;
    – tem um montão de gente sempre pronta pra te ajudar nos problemas.

  27. janeiro 7, 2008 às 4:43 pm

    Parabéns! Acredito que relatos como esse deveriam ser feitos à todo momento, para poder incentivar essa grande massa que vive reclamando que não é possível migrar para o Linux. Eu estou há 3 anos apenas com o Linux, portanto, livre das drogas =P

  28. janeiro 7, 2008 às 4:44 pm

    Cara que bacana sua historia se parece muito com a minha, e, acredito com a de muita gente que “ralou” para um dia colocar um vídeo ou modem pra rodar no GNU/Linux. Bacana mesmo relembrar essas proezas.

    Abraço!

  29. janeiro 7, 2008 às 5:06 pm

    Comecei com GNU/Linux em 96! Passei por quase todas as distros e hoje uma distribuição para mim precisa dos seguintes requisitos:

    Facilidade (KDE e com um instalador bem completo)
    Atualização e novos programas (RPM e um bom gerencidador de pacotes)
    Padrão de mercado (Red Hat Like)

    No momento utilizo Mandriva.

  30. janeiro 7, 2008 às 7:35 pm

    Fantástico… Conheço pessoas com muito tempo de linux, mas esse mistério de passar na banca da esquina foi muito benção na sua vida. Comecei com Slack e só saí dele por que meu futuro exige RHEL😦.

    http://www.nalox.com.br

  31. Pedro ResPiDeR
    janeiro 7, 2008 às 9:08 pm

    Muito bom texto! Tive uma historia parecida com o Linux, uso ha mais ou menos 7 ou 8 anos e me identifiquei com mta coisa q vc disse, bem legal.
    Minha trajetoria de distribuições foi parecida com a sua… Slackware, Debian e Ubuntu basicamente, com algumas intermediarias para testes…
    Saudade do Licq, Window Maker, BitchX/Xchat, etc…
    Aboli o windows completamente por anos (dual boot), usando-o somente dentro de uma máquina virtual (vmware) dentro do meu linux… situações rarissimas onde precisava do windows (mesmo dentro do vmware).
    Texto muito bom e encorajador para novos usuários…
    Parabens pela história…

  32. janeiro 7, 2008 às 10:42 pm

    que saudade do morumbí, cd amarelo hehehe

    bom matar saudades

    abração.

  33. Gilvan Silva
    janeiro 8, 2008 às 12:33 am

    Bem Legal este texto, acho q a maioria das pessoas usuárias de SL começaram desta forma!! Comigo foi diferente, Um dia perguntando a um professor q programas ele usava para as suas simulações, ele me respondeu q ele mesmo fazia os programas dele no LINUX e q o WIN era coisa de criança!! Fiquei até sem graça por perguntar aquilo e ser Chamado de “criança” implicitamente. Juntei os Problemmas do WIN de travamentos Vírus e tal e então resolvir migrar para o Linux. Como eu tenho um colega da Universidade q usava Linux (Slack) pedi a ele q instalasse para mim o tal linux q eu ia aprender utilizar o tal! Então ele instalou o Slack (ele me disse q era o mais dificil) e tb instalou o Kurumin isto em 2003!! só q o Laboratório de astrofísica da minha Universidade os professores usam SuSE exceto o meu professor q usava Slack!! qdo eu vi o SuSE me apaixonei, uma semana depois pedi a este meu colega q instalasse o SuSE e então comecei a me virar com tutos e perguntando q quem entendia disso e hj Estou aqui, Usuário 98% SuSE e 2% Win por causa do Need For Speed!!! eu sei q tem como rodar ele no Linux mas como ando sem tempo para fazer isto então deixo lá o Win para esta diversão! Ah, minha irmã nunca sequer tinha usado PC qdo eu instalei o Linux, e ela aprendeu rapidamente como entrar na net salvar fots abrir pasta sem eu sequer ter dado instruções a ela! e Qdo ela foi fazer um curso de computação(win) ela perguntou ao professor pq ele tinha tanta preocupação com Vírus pq ela usava o Linux e nem sabia o q era antivirus!!! Portanto da mesma forma q vc Usa WIn, Vc tb pode usar Linux sem ter dor de cabeça alguma! até pq 90% das pessoas q usam WIn sequer sabe instalar um programa no WIN, Então como vc vai ter q pedir a alguem para te ensinar a fazer essas coisas no Win, Peça para alguem te ensinar o Linux e seja Livre de Virus, travamentos pirataria e outros!!!!!!!!!!!!!

  34. janeiro 8, 2008 às 12:42 am

    Putz… quantos comentários… Parabéns pelo blog. Eu uso linux faz pouco tempo, até agora, sem grandes emoções, tá muito fácil mesmo até por que eu e meu amigo google sabemos tudo de linux, o que eu não sei, ele sabe, rs.

    Ab.

  35. janeiro 9, 2008 às 8:11 am

    Olá Juliano,
    parabéns pelo relato, muito bacana, me fez voltar no tempo e lembrar minhas brigas,,, começamos acho que na mesma época. Lembro que não sabia fazer nada no windows, nao sabia nem mesmo como usar o ARJ e um amigo vizinho meu era muito viciado e eu começava a cair na onda dele de que mecher com informatica era legal, enquanto ele com 14 anos ja se interessava pro C eu gostava de jogar bola e entrar no mIRC (windows). Ele era um usuário windows com grande conhecimento e ja sabia da existencia do linux e eu não sabia usar nem o windows. Ambos com 14 anos. nessa mesma época foi lançada a revista GEEK 3, que trazia como capa o RedHat Marumbi e vinha junto o CD e manual de instalação, foi legal, fomos os dois às bancas e compramos 2 revistas. Apanhei muito do meu pai por ter formatado o computador, perdido arquivos, teve que chamar técnico (R$200 por 2 horas na época) lembro pq foi uma época que apanhei muito hehehe… mas minha curiosidade nao me deixou parar,,, bati de frente com o velho e voltei a instalar, desta vez com uma partição windows e outra linux, tinha um aplicativozinho que eu conseguia fazer isso sem precisar formatar, nem me lembro mais o nome. Foi a época que mais aprendi e aprendi também bastante sobre windows, e até mesmo como instalar ele e configurar caso perdesse tudo dinovo … hehehehe… passados 2 meses fiz varios contatos na internet e como tinha um modem US Robotics 28800, uma placa de video Trident TG UI 9440 ( 2 mb😀 ) placa de som Sound Blaster 32 AWE não tive muitas dificuldades para configurar, ja tinha bastante artigos na internet. após esses varios contatos um amigo que conheci pelo IRC (nesta época já era BitchX😀 ) veio a minha casa com um cd do Slackware 3.5 e instalamos juntos. parece que eu estava mesmo fascinado era pela dificuldade que os sistemas traziam, e como você disse, no slackware era tudo na mão,,, ahhh como eu gostava disso😀 … lembro da versão Beta do KDE que vinha na pasta Extra/ do slackware e tinha de ser compilado na mão… mas na epoca o que mandava era o Window Maker ou AfterStep,,, quase chorei de emoção quando consegui compilar meu kde sozinho e botar pra rodar ele apois muitos erros e correções,,, sozinho e sem artigos.

    cheguei a ficar 3 anos sem usar computador em uma época de stress, so queria saber de frevo e beber cerveja no colegial, +/- de 2001 a 2004, quando vi a necessidade de trabalhar🙂 … como ja tinha aprendido bastante com o linux consegui um emprego de helpdesk do provedor NetSite🙂 … e de lá pra cá venho evoluindo, deixei de ser um usuário doméstico para ser profissinoal na área, sou analista de segurança em uma empresa e atuo com linux e Unix(muito básico meu conhecimento), após algumas certificações, algumas experiências, após várias distribuições (Fedora, Ubuntu, RedHat, OpenSuse, Gentoo, FreeBSD), continuo sendo sempre fiel ao slackware e também não tenho mais windows.

    Hoje, aproximadamente 10 anos depois também, a brincadeira de criança me deu uma profissão. Poderia escrever um relato de pelo menos umas 5 paginas contando como foi toda a minha passagem pelas distribuições, problemas, artigos que escrevi, slacklife, slackbr, fórums, inglês (sim, graças ao linux eu aprendi inglês🙂 ) entre outros. Mas o mais bacana é ver como a comunidade pode ser amiga, como o linux evolui, falar que na comunidade, TUDO que se faz você é reconhecido, seja por alguns gatos pingados ou por uma legião de usuários.

    Sendo usuário final ou profissinal é uma mudança de vida, uma mudança para melhor🙂.

  36. janeiro 9, 2008 às 9:58 am

    Parabéns Juliano pela sua capacidade técnica
    e principalmente pela suas habilidades pessoais.

    Boa semana.

  37. Cassiano
    janeiro 9, 2008 às 1:33 pm

    Juliano,

    Muito me identifico com o seu relato comecei com o Conectiva Marumbi em 98 também e depois Debian e Ubuntu, parabéns!

  38. RodrigoCardoso
    janeiro 9, 2008 às 8:48 pm

    hahah bacana teu texto
    eu tambem comecei pelo Conectiva Marumbi q veio numa revista Geek.
    na primeira tentativa de instalá-lo meu windows foi pro espaço…
    minha placa de som tambem demorou alguns meses pra funcionar no linux.
    Não tinha internet em casa, entao o jeito era me virar com revistas, q demoravam uma eternidade pra chegar nas bancas aqui de Patrocínio-MG.
    Hj uso FreeBSD :p
    abraço a todos

  39. outubro 31, 2008 às 10:05 pm

    Excelente o seu relato🙂 realmente várias semelhanças nas nossas experiências com o Linux.

    As vezes é bom a gente olhar para trás e ver como tudo tem evoluído… algumas tarefas que eram tão difíceis de realizar hoje são triviais, por exemplo a ótima detecção de hardware das distros atuais (pelo menos as mais voltadas para desktop).

    Abraços

  40. Rodrigo
    janeiro 7, 2009 às 7:27 pm

    Ptz depois de um ano eu volto aqui e leio esse texto, e vejo q eu ja havia colocado um comentario. Hilário??
    E hoje, como nosso amigo que comentou la em cima trampo no netsite..
    Doidimais

  41. bruna
    abril 14, 2009 às 6:36 pm

    oi tudo bem eu gosto do site ele é legal demais!
    bjsssssssssss!!!!!!

  42. Eduardo Farias
    janeiro 20, 2011 às 1:17 am

    Que relato perfeito! Muito semelhanet ao meu.. us robotics isa x winmodens.. placas trident, nvidia.. conectiva 2.0.. hahahahah… LICQ! ..No meu caso tb tinha algo bem engracado, quem nao se sentia o todo poderoso ao entrar no IRC com o BitchX, e digitar /sv, bem como desejar que alguem desse CTCP version só pra receber os CTCP replies do BX, eram de aterrorizar. AHuahu bons tempos, nostalgicos.

  1. No trackbacks yet.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: